Home |CDOF Responde | Cadastro de Usuários | Cadastro de Consultores|


 

Sex, 18/1/13 18:53

PERGUNTAS E RESPOSTAS ANTERIORES AO CDOF RESPONDE
CONSULTORIA GRATUITA CDOF

Obs: para procurar pelo tema utilize o sistema de busca

480. Deve-se prescrever o desenvolvimento completo e tríceps francês na musculação para público em geral? - 01/12/02
Existe muita polêmica em relação ao trabalho de desenvolvimento completo e tríceps francês na musculação, pois existem algumas Academias adotando esse procedimento, baseado em artigos científicos aprovando os mesmos, entretanto, discordo com essa aprovação já que o público alvo são pessoas de Academia e não atletas e fisioculturista. O que vcs têm para falar sobre isso, já que esse procedimento pode causar lesões futuras? Márcia - EF

Oi Márcia, recebemos um retorno para sua pergunta vinda do Prof. Luiz Moraes, veja sua opinião:
   Amiga estudante. Em princípio, não existe " exercício proibido ", e sim pessoas que não podem fazer determinados exercícios por não estarem adaptadas a ele. Da mesma forma, de um modo geral, não é o exercício o causador da lesão, e sim a má execução, excesso de uso e/ou má orientação no que se refere a postura e progressão pedagógica.
   O desenvolvimento completo é um dos melhores exercícios por trabalhar vários grupos musculares e articulações ao mesmo tempo, sendo por exemplo, um ótimo exercício para ser utilizado como aquecimento.
   O músculo tríceps, o músculo do "tchau" pode ser trabalhado em diversos exercícios, e o tríceps francês é apenas um deles, e que deve ser incluído nas séries, somente após algumas semanas de prática de exercícios mais simples. Pode ser considerado um pouco mais avançado, apenas por solicitar um maior número de unidades motoras por ser executado contra a ação da gravidade, e assim estimular maior grau de flexibilidade.
Portanto, só vejo vantagem nisso. Mesmo os iniciantes podem fazer esse exercício bastando usar peso adequado à condição física, postura correta evitando a angulação máxima.
    Importante. Quando você ouvir alguém dizer que tal exercício lesiona pergunte o porque. Está descrito em qual relatório científico? Tem fundamento? Se ainda tiver dúvida faça você mesma o exercício corretamente e conclua usando o seu bom senso. Se formos entrar de cabeça nessa onda de exercício proibido não vamos fazer nenhum: puxada por trás, agachamento, tríceps francês, rosca testa... e tantos outros.
   Em tempo. Nas minhas aulas de ginástica localizada (público heterogênio de academia) quase sempre incluo o tríceps francês na segunda série e nunca tive reclamações de dores articulares. Detalhe. Não trabalho com intermináveis repetições, e sim, entre 10 e 15 alternando os segmentos. O excesso de repetição tem muito mais chances de causar lesão articular porque esgota o músculo e quem acaba pagando a conta é a articulação mais próxima.
   Aqui mesmo no CDOF você encontra sugestão de treino para iniciante incluindo tríceps francês.
Acesse: www.cdof.com.br/musc13.htm

Espero que ajude
Um grande abraço Prof. Moraes CREF1 RJ 3529

Leia mais: "Movimentos Proibidos na Ginástica "


481. Dúvidas na prática da musculação - 02/12/02
Eu fazia musculação na minha cidade (Veranópolis) e agora que estou morando em Rio Grande por causa da faculdade resolvi continuar. Porém aqui fazem muito diferente de como eu estava acostumado. Aí vão as dúvidas e perguntas: 1- Como e por que se faz um trabalho isométrico de musculação? 2- O trabalho para resistência aeróbica prejudica o de hipertrofia? 3- Num determinado aparelho deve-se fazer as 12 repetições - Henrique - Estudante da FURG de engenharia mecânica.
Caro Henrique, quem esclarece sua pergunta é o Prof. Luiz Moraes, veja sua opinião:
Amigo estudante!
    O trabalho isométrico é caracterizado por uma contração muscular, que exclui o encurtamento da fibra muscular. Na contração isométrica não existe o movimento dinâmico e a força se iguala à resistência ou a resistência é insuperável. Tem aplicação, principalmente, quando se deseja aumentar a força muscular em determinadas angulações de arco de um movimento qualquer. Detalhe. Todos os movimentos humanos apresentam para mais ou para menos uma deficiência de força em algumas angulações. Isso está associado principalmente ao uso diário.
   Quanto à sua segunda pergunta depende da intensidade da atividade aeróbia. Se for muito alta pode ser um treinamento concorrente com a hipertrofia. Sobre isso acesse: www.cdof.com.br/consult16.htm
   Quanto à sua terceira pergunta, qualquer aparelho pode-se fazer quantas repetições quiser. A relação carga e repetição refere-se ao objetivo: Resistência Muscular Localizada, Força ou Hipertrofia. As máquinas são apenas meios para atingir objetivos desejados.

Espero que ajude.
Um grande abraço Prof. Moraes - CREF1 RJ 3529

Leia mais: Conceitos básicos


482. Existe eficácia de treino em Drop Set para exercícios multiarticulares? - 02/12/02
Noto que somente em uniarticulares a resposta parece ser mais positiva. Luiz Claudio Mrtvi - EF

Caro Luiz, até o momento sua pergunta recebeu uma contribuição de nosso caro Prof. Luiz Moraes, veja o que ele diz:
Amigo Luiz Cláudio,
   Os muitos métodos na musculação são poderosas ferramentas pra gente não ficar fazendo sempre a mesma coisa e eles existem para serem usados de acordo com o desenvolvimento do aluno dentro da periodização.
   O "Drop Set" é um dos vários métodos considerados avançados que visa o esgotamento das fibras musculares e recrutamento de maior número de unidades motoras. Tem eficácia tanto nos exercícios mono quanto multiarticulares. A resposta pode parecer mais positiva nos monoarticulares, simplesmente, pelo fato do número de unidades motoras envolvidas ser menor. Multiarticulares, mais músculos, mais carga para um mesmo resultado.

Espero que ajude
Um grande abraço Prof. Moraes CREF1 RJ 3529

Leia mais: Drop set


483. Contratura muscular em atletas praticantes de saltos - 02/12/02
Informações sobre contratura muscular em atletas praticantes de saltos, como salto em distância, salto triplo. Riscos, tratamentos... Mariana Lucas - EF

Olá Mariana, até o momento tivemos um retorno do Prof. Luiz Moraes, quem lhe traz a seguinte contribuição:
Amiga Mariana !
   As contusões nos esportes acontecem por inúmeros fatores, entre eles a própria característica da modalidade, que pode aumentar ou diminuir a incidência, assim como, cada modalidade tem a probabilidade da ocorrência de contusões devido o tipo de ato motor e a velocidade com que é executado.
   No atletismo, os saltos, em distância, em altura, com vara e o triplo propiciam contraturas e/ou distensões nos músculos das pernas, especialmente o gastronêmios, tanto no momento da arrancada para atingir a maior velocidade horizontal possível, quanto no exato momento da transferência para a velocidade vertical (decolagem).
   Os índices são mais altos proporcionalmente à categoria do atleta. Os de alto nível, por estarem sempre em busca da superação estão mais sujeitos. A forma de diminuir essa incidência é a execução de um treinamento orientado por uma equipe multidisciplinar. Os atletas dessas modalidades precisam de força e velocidade e serem geneticamente bem dotados para os esporte anaeróbios. Ou seja, percentual maior de fibras tipo IIa e IIb.

Espero que ajude.
Um grande abraço Prof. Moraes CREF1 RJ 3529


484. Quais os efeitos (positivos e negativos) dos exercícios abdominais sobre a coluna ? - 02/12/02 - Roberta de Carvalho - EF

   Olá Roberta, Segundo Michael Yessis, Ph.D. - EUA - em entrevista na revista Sprint - jan/fev/1999 , na execução de um abdominal é muito importante retificar a coluna antes de começar o exercício. Fazendo isso, gira-se a pelve para trás, o que previne o músculo ílio-psoas de tracionar a coluna lombar, provocando um posicionamento hiperestendido. Isso mantém a coluna em uma posição segura durante a execução do movimento. Também deve ser ressaltado que a flexão de joelhos e a retirficação da lordose lombar removem cerca de 30 kg de pressão da região lombar. Essa análise é baseada na execução de exercícios abdominais juntamente com a flexão de quadris.
   Portanto, é importante que os músculos abdominais estejam contraídos para impedir qualquer hiperextensão da coluna durante estágios iniciais dos exercícios abdominais. Uma vez que se esteja em movimento, e a coluna já esteja fletida, não existe o risco de psoas tracionar a coluna vertebral para um posicionamento de hiperextensão.
   A ação dos flexores do quadril na flexão abdominal é muito discutida. A maior parte das autoridades concordam com o fato de que os flexores do quadril não devem ser acionados nas fases iniciais da flexão abdominal, para prevenir a ocorrência da hiperextensão da coluna. Isso é particularmente importante para as pessoas que possuam problemas na coluna, especialmente na região lombar. Mas não há grande problema dos flexores do quadril estarem sendo ativados nos estágios finais do exercício.
    Na realidade estará se obtendo um benefício duplo - o desenvolvimetno simultâneo da musculatura abdominal e dos flexores do quadril. Quando se prendem os pés, as pernas ficam estabilizadas e os flexores do quadril são acionados para manter a rotação da pelve, enquanto se completa a flexão abdominal. Mas isso é seguro desde que se tenha retificado previamente a coluna lombar, através da contração dos músculos abdominais.
   Vale observar a ação dos abdominais sobre a coluna: uma forte estrutura da parede abdominal mantém os internos em seus lugares. Quando se possui um abdômen protuberante, se impôe um grande estresse sobre a coluna, que pode causar pinçamentos nervosos e, consequentemente, provocar dores nas costas. Nos casos mais severos, a dor se reflete pelos membros inferiores. Este quadro é conhecido como dor ciática, uma vez que ocorre o pinçamento do nervo ciático. Portanto, uma musculatura abdominal forte mantém a coluna em seu posicionamento normal, ligeiramente hiperestendida. s
    Além disso, musculos abdominais bem desenvolvidos são necessários para todos os os indivíduos, principalmente atletas, os saltadores no atletismo, fisiculturistas, ginástas, etc.

Recebemos um retorno do Prof. Luiz Moraes, lhe esclarecendo o seguinte:
Amiga Roberta!
    Uma coluna saudável depende de uma boa manutenção dos músculos paravertebrais, intercostais e dos abdominais que são os grupos responsáveis pela proteção da coluna. As dores lombares, por exemplo, podem ter, entre outros fatores, origem num abdome fraco. Os efeitos negativos só existem se os exercícios abdominais forem feitos de forma inadequada, com exageros e ou sem orientação profissional. No mais, exercícios abdominais só trazem benefícios e não deve ser dado "só" um enfoque estético como normalmente estamos acostumados a ver. Um abdome bem desenvolvido ajuda a manter um bom funcionamento dos intestinos e a manter os órgãos internos nas suas posições anatômicas. Portanto, o apelo maior deveria ser dado à questão da saúde. Abdome bom, coluna boa.

Espero que ajude
Um grande abraço Prof. Moraes CREF1 RJ 3529

Leia mais:
A verdade sobre abdominais
AB-SLIDE funciona?
Que tipo de abdominal dá melhor resultado?
Será possível ainda eliminar a tão indesejada barriga?
Exercícios Abdominais


485. Musculação atrapalha o crescimento? - 03/12/02 -
Tiago Moraes mello -Estudante ? EF

Caro Tiago, esta questão já foi anteriormente abordada pelo CDOF, mas ainda assim recebemos a colaboração do nosso Consultor Prof. Luiz Moraes, veja seu ponto-de-vista:

Amigo Tiago,
Essa é mais uma crendice popular. Pelo contrário. A musculação, se bem orientada, principalmente na fase da adolescência estimula o crescimento justamente aproveitando a melhor fase de liberação hormonal da testosterona.
www.noticiasdocorpo.com.br/ano1n004/materia.htm
www.noticiasdocorpo.com.br/ano1n008/materia.htm
www.noticiasdocorpo.com.br/ano1n012/materia.htm

Espero que ajude.
Um grande abraço . Prof. Moraes CREF1 RJ 3529

Leia mais:
Crescer e ganhar massa muscular
Capacidade de construção muscular de acordo com a idade
Os benefícios do treinamento de força para crianças e adolescentes
Adolescentes e Creatina


486. Inclusão de exercícios para a cintura escapular no programa para costas - 03/12/02
Gostaria de saber sua opinião sobre a inclusão de exercícios para a cintura escapular junto com o programa para costas, pois vejo em muitas academias a não inclusão desses exercícios que são, na minha opinião, importantes para a postura, principalmente os exercícios que atuam na adução da escápula. Alberto Fernandes de Oliveira - Estudante EF

Oi Alberto, sua pergunta recebeu uma cotribuição do Consultor Prof. Luiz Moraes, quem lhe traz o seguinte:

Olá graduando Alberto!
   Os músculos da cintura escapular são importantes na estabilidade do ombro, especialmente os do manguito rotador cuja função é manter a cabeça do úmero movimentando-se corretamente dentro da cavidade glenóide. Você tem razão. Exercícios para a cintura escapular são tão importantes quanto os destinados aos peitorais e o grande dorsal. Daí a importância da prescrição de exercícios agônicos e antagônicos em séries alternadas por segmento. O erro é normalmente induzido porque a maioria dos homens têm preferência pelos exercícios destinados aos músculos aparentes. Peitoral, trapézio, grande dorsal e abdome. Por conta disso, há quem condene por exemplo a puxada por trás dizendo ser causadora da Síndrome do Impacto de Ombro. Não é a puxada por trás que lesiona e sim a falta de exercícios para a cintura escapular.
Valeu Alberto! Você está absolutamente correto.

Espero que ajude . Um grande abraço Prof. Moraes CREF1 RJ 3529


487. Esparadrapos nos dedos durante o esporte - 03/12/02
Gostaria de saber porque alguns jogadores usam esparadrapos nos dedos quando estão praticando atividade esportiva ? Qual o objetivo ? Obrigado. Joel Rios Neto.

Oi Joel, essa é uma curiosidade, vamos ver o que o Prof. Luiz Moraes nos diz:
   São apenas para dar firmeza nas articulações dos dedos. O nível de exigência que o esporte mundial chegou, como por exemplo o vôlei, tornaram essas articulações fracas em relação à velocidade da bola. Sem essa proteção, fraturar um ou vários dedos num jogo muito disputado, é muito fácil.
Espero que ajude.
Um grande abraço. Prof. Moraes . CREF1 RJ 3529


488. Caracterização das fibras tipos (1A, 1B, 2C e 2AB) - 03/12/02
Eu queria, se possível, saber quanto a fisiologia, morfologia e bioquímica das mesmas, pois faço mestrado e estou precisando muito dessa informação. Se vcs puderem me ajudar mais, ficarei muitíssimo grata! Um abraço, Raquel Metaxa .

Olá Raquel, recebemos algumas referências de nosso Consultor, Prof. Luiz Moraes , veja se são satisfatórias:

www.noticiasdocorpo.com.br/ano1n002/materia.htm
www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_exibe.asp?cod_noticia=672
www.fitnessbrasil.com.br/detalhenoticia.asp?NewsID=143
www.infomed.hpg.ig.com.br/manual2/capitulo06.html
www.infomed.hpg.ig.com.br/manual2/capitulo07.html
www.gssi.com.br/scripts/publicacoes/artigos/artigo.asp?idartigo=19

Além é claro do endereço do CDOF que está muito bem explicado
www.cdof.com.br/consult46.htm

Um grande abraço . Prof. Moraes.


489. Mecanismos neurofisiológicos envolvidos na massagem reflexa - 06/12/02
Mecanismos neurofisiológicos envolvidos na massagem reflexa ou massagem do tecido conjuntivo . Ana Paula Alves Namba - estudante de fisioterapia
Oi Ana Paula, quem vem contribuir com a sua pergunta é o Consultor Ft. Marcos Vidal Pires Dourado e lhe aconselha o seguinte:
   Olá Ana Paula, é bom dividir com uma futura colega. Como acontece com a acupuntura, os mecanismos neurofisiológicos da massagem reflexa não são de total domínio, porém se assemelham muito aos mecanismos envolvidos na acupuntura. Os pontos da massagem reflexa, tanto nos pés como nas mãos, são diferenciados dos outras regiões do corpo caracterizam-se pela alta concentração de terminações nervosas livres, exatamente como são os
pontos de acupuntura. Após a digitopressura sobre essas altas concentrações nervosas o estimulo percorre o trato espino - talâmico que estimula a liberação de betaendorfinas pela substãncia periaquedutal cinzenta e a liberação de ACTH (hormonio adrenocorticotrófico) pelo eixo hipotálamo - hipofisário.
   As concentrações de betaendorfinas no mesencéfalo estimulam a liberação de noradrenalina e serotonina no trato dorso-lateral, enquanto que a liberação de ACTH promove a secreção de cortisol pela córtex das suprarrenais. Tais neurotransmissores promovem o relaxamento muscular, analgesia e são antinflamatórios, além da liberação de outros neurotransmissores como, dopamina e somastatina com funções específicas.
   Nas massagens locais o efeito predominante é o efeito circulatório, causado pela vasodilatação decorrente da liberação colinérgica (acetilcolina, acetilase da colina e colinesterase) e noradrenérgica (norepinefrina nos receptores Beta 2) nas artérias como resposta à estimulação das terminações nervosas e dos diversos receptores cutâneos sensitivos, tais como, corpúsculos de Merkel( tato ), Meissner( tato ), Pacini( pressão ) e terminações de Ruffini( pressão ) . . .
   A massagem reflexa também agrega as respostas circulatórias.
Esperando ter contribuido, estaremos sempre disponíveis. Um abraço. Marcos Vidal


490.Quais os efeitos tissulares da aplicação de impulsos elétricos? - 06/12/02
"Quais os efeitos tissulares da aplicação de impulsos elétricos?" Preciso de algumas referências bibliográficas a respeito do mesmo. Preciso também de alguns artigos científicos. Por favor, encarecidamente peço-lhes que me ajudem, pois preciso entregar este trabalho até dia 10/11/2002. Desde já, muito obrigado. Carol . Ana Caroline T. Bandeira - Estudante de Fisioterapia .

Olá Ana, infelizmente não conseguimos um retorno tão breve a ponto de contribuir com seu trabalho, mas em atenção ao seu pedido o Ft. Marcos Vidal Pires Dourado , gentilmente lhe retorna o seguinte:

   A eletroterapia apresenta respostas orgânicas diferenciadas em cada uma de suas técnicas:
Campos Eletromagnéticos - fototerapia (infravermelho, ultravioleta), eletromagnetoterapia, laserterapia, diatermia (microondas, ondas curtas).
Ondas Sonoras - Ultrasson
Correntes de baixa frequência - Tens, Fes, Heterodínias, Interferenciais, diadinâmicas...

   Dada a extensão dos assuntos a serem abordados tomei o cuidado de separar uma bibliografia adequada a sua necessidade.
Eletroterapia de Clayton, Sheila Kitchen & Sarah Bazin - Ed. Manole
Eletrofisioterapia e Reeducação Funcional - Francis Crépon - Ed. Lovise

Necessitando de mais informações é só retornar ao site.Um abraço. Marcos Vidal



491. Artigos sobre a motivação para a prática despotiva.- 15/12/02
Teresa Sousa - Estudante-finalista do curso Ed.Física - Vila Nova de Gaia - Portugal

Olá Teresa, recebemos um retorno para você do Prof. Rogério Frade, que gentilmente sugere o seguinte:

* ASEP (1996) Coaching youth basketball, 2nd ed. Champaign, Human Kinetics, cap. 2 e 3.
* Becker Jr,. B. (2000) O treinador esportivo e a criança. In B. Becker Jr., A psicologia aplicada à criança no esporte. N. Hamburgo, FEEVALE, p. 83-115.
* Brandão, M.R.F. (2000) O papel do treinador como motivador do treinamento desportivo. In I, A., Dobransky e A. Machado (eds), Delineamento da Psicologia do Esporte: evolução e aplicação. Campinas, Tecnograf, p.153-164.
* Cruz Felui, J. (2000) Avaliação das interações treinador-desportista e assessoramento a treinadores de jovens desportistas. In B. Becker Jr., A psicologia aplicada à criança no esporte. N. Hamburgo, FEEVALE, p. 133-148.
* Cruz, J.F.A. e Gomes, R. (1996). Liderança de equipas desportivas e comportamentos do treinador. In J.F.A. Cruz, Manual de Psicologia do Desporto. Braga, SHO, p.389-409.
* Serpa, S. (1996) A relação treinador-atleta. In J.F.A. Cruz, Manual de Psicologia do Desporto. Braga, SHO, p.411-423.
* Weinberg, R.S. e Gold, D. (2001) Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício., 2ª ed. Porto Alegre, Artmed, cap. 10 e 22. (biblioteca EEFEUSP).

Um abraço. Prof. Rogério Frade

Leia ainda:
http://www.efdeportes.com/efd43/motivo.htm
http://www.efdeportes.com/efd17a/ensino1.htm
http://www.efdeportes.com/efd49/efi1.htm
http://www.efdeportes.com/efd17a/avalia1.htm
http://geocities.yahoo.com.br/norbasjr/motivacao.htm


Manual do Treinamento Psicológico para o Esporte - Benno Becker Jr - Dietmar Samulski

492. Recolocar os halteres no lugar apropriado após o treino na academia - 21/12/02
Queria saber se o aluno precisa desmontar os aparelhos e colocar os halteres nos lugares após o seu treino. Existe alguma lei que obrigue o proprietário da academia a fazer isso? Obrigado. Enchi o saco de desmontar os pesos, na boa. Anônimo.

   Caro Usuário, essa é uma questão polêmica e cada um pensa de uma maneira. Alguns pensam que é uma questão de princípios familiares dos clientes utilizar o material e retorná-los ao local apropriado, mas outros acreditam que basta pendurar bons cartazes espalhados pela sala para lembrá-los desta tarefa.
Enviamos sua questão para alguns colegas e veja o que eles respondem:

Prof. Jamerson Goi Ihara:

   Olá amigo! A comunicação dentro da academia é muito importante, seja através dos professores, cartazes ou informativos internos. Esse é um caso onde essa comunicação deve ocorrer, mas não precisa ser necessariamente uma imposição como um cartaz dizendo"GUARDE O MATERIAL!". Você pode escrever um cartaz amigável dizendo assim: "Para manter a organização da sala pedimos a colaboração dos Srs. Alunos que guardem o material após sua utilização". A cordialidade e educação são muito importante, mas mesmo assim muitos alunos ainda deixarão os materiais espalhados pela sala. Tente falar de uma maneira mais brincalhona com os alunos que eles entenderão. Se você começar a esquentar muito a cabeça com isso, cria-se uma imagem negativa dos alunos o que poderá interferir no seu trabalho. Espero ter ajudado, um abraço!

Prof. Fabrício Gontijo:
    Caro praticante de musculação. Não existe lei que obrigue você a desmontar aparelhos e colocá-los no lugar. Isto é uma questão de recursos disponíveis e possíveis ofertados pelo proprietário da academia e de educação, colaboração e bom senso do cliente.

Prof. Luiz Moraes:
Amigo leitor.
Uma lei especificamente não existe. O que deve prevalecer é um bom entendimento, boa conversa e bom senso entre as partes envolvidas: proprietário, professor e alunos. Parte daí o princípio da Qualidade Total nas academias. Em todo o caso, o aluno é o cliente e está na academia para ser bem atendido. Afinal, é ele quem paga o salário de todos e sem ele o estabelecimento fecha as portas. Existe uma palavra mágica em qualquer ambiente. "Por favor"_ Você pode colocar os halteres no lugar para mim? É diferente de: "_Bota no lugar". Os meus alunos de Personal, eu mesmo monto e desmonto as peças. Mas, numa sala de musculação, onde um professor tem que atender a muitos alunos ao mesmo tempo, não custa nada o aluno montar, desmontar e colocar as anilhas no seu devido lugar desde que, não seja uma ordem e isso não seja imperativo.
Dê uma lida aqui mesmo no texto: marketing2.htm

Espero que ajude. Um grande abraço
Luiz Carlos de Moraes CREF1 RJ 3529



493. Realizar o aumento de repetições sem teste de repetição máxima - 21/12/02
Após um teste de repetição máxima, onde no exercício crucifixo foram realizadas 24 repetições com uma carga de 6 kilos, seria possível alterar o número de repetições para 28 sem a realizaçao do teste? Como? Mário Luis Guimarães Andrade - EF
Oi Mário, vamos ver o que alguns Consultores lhe aconselham:

Prof. Jamerson Goi Ihara,

   Olá! Não sei qual o motivo para realizar 28 repetições, mas o que você pode fazer é diminuir a carga, no caso de 6 para 5 quilos que, com certeza passará, e 28 repetições e perguntar para o executante em que momento ele sentiu que se cansava na vigésima ou trigésima repetição, e então ir modulando a carga.

Prof.Luiz Carlos Chiesa,

    Mário! O teste de repetições máximas é exatamente para criar a possibilidade de um trabalho mais consistente em termos de controle cientifico. Estipular aleatoriamente um volume de repetições sem um teste ou referência mínima, é no mínimo uma especulação.
    Apesar de você não ter deixado claro quanto tempo após o teste foi realizada a presente extrapolação de repetições, acredito ser mais vantajoso refazer o teste de repetições máximas para esta determinação ser mais lógica.
Devemos ter conhecimento sobre a experiência do profissional que realizou o teste. Como visto até no momento são muitos pequenos detalhes que fazem diferença no momento de realizar um programa de treinamento assim como avalia-lo.
    Um detalhe curioso é o número máximo de repetições deste exemplo, ser muito elevado. Baseado na experiência acumulada em meus anos de trabalho com treinamento, se o teste de repetições máximas, tiver como objetivo ser o alicerce da estruturação de um treinamento para força, o número máximo de repetições não deve ser superior a quinze.
    Como regra acredito ser ideal o menor número possível de movimentos (para os casos de esportes que requerem grandes

 

|::::  Cooperativa do Fitness - Todos os direitos reservados - BH - MG - Na internet desde 05/12/1999 ::::|